Publicado em

CARREGADORES DE SEMENTES

Trabalha como carregador. Sacas pesadas e costas envergadas sobre pernas cansadas da labuta. Tedioso processo, apoia cintura sobre pernas arqueadas, com mãos espalmadas pro céu e um só olho aberto para vigiar e corrigir a rota da saca lançada de cima, outro olho protegendo-se da luz do sol que castiga o couro. Como halterofilista, suspira e ergue a saca sobre os ombros, leve rotação à esquerda para retornar desviando-se dos companheiros em fila aguardando a vez, suspira mais uma vez e segue para o galpão. No caminho, um terreno aparentemente maltratado pelas pisadas que rasgam suco na terra, até lançar ao chão, com a força de quem quer descarregar todos os pesos de uma vida.

Adubo e semente carrega. Também preocupações e culpas. Costas largas e responsáveis, que precocemente assumiram tarefas que impediram realizações pessoais. Quem tem fome sonha apenas com pão. Flores são luxo, mas sua paixão. Dia a dia, no entanto, pensa no quão distante está do ofício de jardineiro e pergunta se a vida é somente aquela sucessão de rotinas cansativas.

De tão acostumado que está com o trabalho, já pode realizar de olhos fechados; e por mais que os mantenha levemente abertos, a mente não enxerga mais o caminho. De tão resignado com sua condição, enxerga sua alma mais fissurada que a terra que pisa.

Até que um dia nota, sem acreditar, que no caminho entre erguer os pesos e lança-los ao chão, a terra que era rasgada pelas pisadas pesadas, produziu brotos. Sem saber, ao cumprir sua sina de carregador, deixava cair, diariamente, bocado de semente e adubo sobre a terra que seus pés cuidavam de abrir, afofar e cobrir.

O tempo fez seu trabalho, transformar o carregador de sementes e adubos, no jardineiro que sempre quis ser, mesmo que não da maneira que imaginou que seria, ensinando que as pessoas que decidem cumprir suas responsabilidades, serão honradas um dia.

Pais e mães, professores, homens e mulheres que responsavelmente assumem suas tarefas na vida, muitas vezes pesadas, quase sempre distantes dos sonhos e dos ideais, serão recompensados por jardins que, sem saberem, estão plantando diariamente.

©2015 Alexandre Robles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *