Publicado em

NÓS SENTIMOS A DOR DA TERRA

Nós pulsamos no mesmo ritmo que o restante da Criação. Há muito maior ligação entre nossas emoções e as energias sutis do Universo, do que desconfia nossa vã teologia. Há muito maior assimilação dos gemidos da Criação do que nossos diagnósticos são capazes de determinar.

Ouvi de um manauara que sua alma é como o Rio Amazonas, que seca e transborda nas estações certas. Fez-me pensar nas barragens que se rompem liberando rios de lama. Também fazemos assim, por isso que muitas pessoas estão transbordando lama em si e a partir de si mesmos, lama tóxica, porque passaram a vida criando diques de contenção na alma, barreiras para segurar emoções e traumas, de modo resiliente fizeram tudo o que outros exigiam e esperavam, até que um dia não aguentam mais e rompem.

Ouvi de outra pessoa, que é muito difícil para quem tem tendência à depressão, viver em áreas invernais, com muita neve, porque quando se vê tudo muito cinza e branco, com muito frio e neve por um longo período, a alma começa a esfriar e acizentar. Como na depressão!

Ultimamente temos ouvido falar do vírus Zika, provável causador de alguns males e más-formações graves. Imperceptível e transmissível por pequeno inseto, se assemelha ao espírito de uma época, às impressões que são transmitidas de modo quase imperceptível e que vão infectando a alma sem que a gente perceba. De repente estamos todos apressados, entristecidos, angustiados, sem que saibamos as razões disso.

O que falar da falta de ideais advinda da corrupção política sistêmica? O que falar da constatação da desumanidade nas cadeias de produção de quase tudo o que comemos, vestimos e usamos e que diminui nossa satisfação com o simples presente? O que falar do volume de notícias das tragédias e catástrofes que criam em nós os medos e fobias?

Não à toa, cada vez mais, nós experimentaremos os efeitos emocionais e psicológicos de tais realidades. Precisamos aprender a ler os sinais de nossa época para poder tratar nossa alma como precisa ser tratada.

2015 Alexandre Robles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *