Publicado em

O PRA SEMPRE, SEMPRE ACABA

Nós temos mentes mágicas. Há em nós uma busca instintiva por uma experiência finalizadora. O “felizes para sempre” e o “nunca mais” são artifícios mentais que alimentamos com nossa ilusão de definitivos.
 
Daí vêm as frustrações quando o período da paixão acaba e nós, que estávamos tomados por uma convicção de que seria eterno, somos dilacerados pela mudança inesperada de sentimentos. E até pior, vêm também as desistências depois de decisões mudança, quando pensávamos que o ato de decidir havia transformado completamente a realidade.
 
Apenas os rotineiros conseguem permanecer e alterar significativamente suas próprias vidas. Quem acredita na rotina, está alinhado ao funcionamento do Universo, onde não há espaço para magias, mas há que se preparar a terra, lançar a semente, regar o solo, aguardar o broto, acomodar o caule, para então colher os frutos.
 
O que há na vida é o “cada dia”. Hoje eu preciso tomar as mesmas decisões, novamente; hoje eu preciso alimentar bons sentimentos por quem e pelo que um dia me apaixonei; hoje eu preciso cumprir sadia rotina que um dia será responsável pela vida que irei colher. E ali, no fim, talvez eu chame de “pra sempre” aquilo que a “cada dia” eu repeti com sinceridade e dedicação.
 
©2016 Alexandre Robles
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *