Publicado em

VOCÊ JÁ PODE PARAR

Quando sua alma se cansar das nas rasas promessas de felicidade baseadas no consumo desnecessário e no culto a imagem, venham mim. Quando não suportarem mais as experiências apenas físicas dos romances descompromissados e do sexo casual, venham a mim. Quando perceberem a falta de significado de suas práticas religiosas ritualísticas e se cansarem do anestesiamento provocado pelo emocionalismo de seus cultos, venham a mim. Quando chegarem no limite emocional de suas buscas pela perfeição e na tentativa de esconder suas falhas, venham a mim. Quando não suportarem mais calar a voz interior que insiste em incomodar perguntando os motivos pelos quais vocês fazem o que fazem, vivem com quem vivem e estão onde estão, venham a mim. Quando já estiverem prontos para assumir que estão sobrecarregados, que não encontraram o que estavam procurando; quando estiverem prontos para assumir que faliram, que não dão conta, que seus planos não funcionaram, venham a mim.

Venham a mim todos os que estão cansados e sobrecarregados e eu lhes darei descanso.

Jesus de Nazaré.

Publicado em

CIVILIZAÇÃO FICTÍCIA

Um grande engano de nossa sociedade moderna é a do direito à satisfação e felicidades plenas. Nossos ancestrais lutavam por sobrevivência. Depois veio a organização tribal para proteção e preservação. Então chegou a época do estabelecimento dos impérios. Até que chegamos à época em que o ideal da sociedade desenvolvida é o prazer como um fim em si mesmo.

Todos precisamos ser felizes o tempo todo. A partir desse ideal organizamos nossa sociedade, desorganizamos a família e fundamentamos religião com base na ideia do “meu deus me faz mais feliz que o seu deus”.

Somos os mais frágeis, doentes, exigentes, neuróticos, frustrados, vazios e mentirosos.
A vida real não tem definitivamente nada a ver com a propaganda mentirosa e romântica que rege o Marketing, seja político ou comercial; a Religião ufanista; a Política alienadora; e a cultura fantasiosa.

Vale lembrar que o homem real de Nazaré afirmou que a Verdade Liberta. Somente ela.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR

Dia desses o primeiro Adam tentou se esconder de Deus, fugindo, porque havia percebido algo sobre si, que não gostava. Desde então, nós todos acreditamos poder e nos esforçamos por fugir de Deus, das pessoas e de nós mesmos.

Naquele dia o Criador perguntou ao Adam onde estava. E instalou em nossa própria consciência Sua Voz que não cessa de perguntar onde estamos e porque estamos fugindo. Para não ouvi-la foi que inventamos todos os barulhos e as distrações que nos mantém ocupados com o que não importa a fim de não termos de responder a pergunta que não quer calar.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

A CASA QUE NÓS SOMOS

Rabiscos de autopercepção

Nós nunca deixamos de ser o que já fomos. Cada experiência de nossa existência fica registrada em nós em forma de persona psicologicamente desenvolvida. O inconsciente é a morada dessas personas, é uma casa com janelas abertas, que são as projeções que lançamos para fora com as quais enxergamos o mundo que nos cerca. As portas deixam entrar as impressões que temos do olhar dos outros sobre nós, conforme as recebemos e permitimos tornarem-se hóspedes, passam a habitar conosco como se fossem nós mesmos.

E nessa casa, cheia de elementos subjetivos, cada fase de nossa vida se tornou uma persona através da marca do trauma ou da euforia. São as experiências extremas de dor e alegria que criam as personas que nos habitam. E nenhuma delas vai embora da casa, ficam todas.

Mas a casa é dirigida pelo que somos no momento, para quem as personas olham esperando serem guiadas, o “Eu Regente”. Ele é a expressão vigente, a persona comandante, a parte consciente de quem somos, o primeiro que aparece e reage ao mundo externo, quem geralmente pensamos ser exclusivamente, mas é apenas o Regente e nem sempre exerce sua função adequadamente.

Sua tarefa principal é alojar todas as personas, cada qual em seu cômodo adequado, mas quando não a cumpre, permite com que as personas pensem poder assumir sua função, através da sabotagem emocional.

Assim, personas da infância se impõe na tentativa de comandar a casa e aparecer na janela para se mostrarem ao mundo. Abrem a porta descuidadamente e deixam entrar perigos ameaçadores ao bom funcionalmente do lar.

O lar funciona adequadamente quando o Eu Regente consegue domesticar cada persona da casa, quando dirige cada uma ao seu cômodo, acalmando-as e tratando-as a partir de suas marcas de surgimento. É quando o consciente visita o inconsciente, através de processos terapêuticos, espirituais e existenciais, e compreende que por trás de cada pensamento, ação e reação em nós há realidades que nos habitam e que precisam ser conhecidas e tratadas.

Cada pessoa que já fomos um dia é parte do que somos agora. E isso se expressa em um relacionamento, como um intercâmbio de lares. Dois seres humanos trocando quem são. Seus traumas, impressões, projeções; “Eus Regentes” nem sempre comandantes de fato, personas muitas vezes indisciplinadas.

Quando comprometidos um com o outro, temos o poder de ajuda mútua de reconhecimento do Eu Regente e adequação das personas agitadas. Podemos nos olhar e dizer: “ei, eu sei quem você é (o Eu Regente), volte, o que você está sentindo ou fazendo não é você, é uma parte sua que já não precisa comandar sua vida”.

Um ao outro, temos o poder de ajudar o Eu Regente a assumir sua função em nossa casa existencial, para promover equilíbrio no lar, através de um processo infindável de autoconhecimento e reacomodação emocional.

©2015 Alexandre Robles

Publicado em

DESPERSONALIZAÇÃO

Nem sempre a sensação de estar “perdendo a personalidade” é ruim. Temos essa impressão quando vivemos sob influência de pessoas fortes que nos impulsionam à mudança de pensamento e atitude; ou quando avaliamos quem nos tornamos à luz de quem fomos um dia e percebemos sensível diferença; ou quando alguém nos encontra e diz: “você não é mais o mesmo”.

Nada disso é ruim essencialmente. Na verdade são sinais de que estamos nos tornando outras versões de nós mesmos. Nós nunca SOMOS, mas sempre ESTAMOS SENDO.

E como disse o Gabriel Pensador: seja você mesmo, mas não seja sempre o mesmo.

Dia desses visitei passado e tentei me revestir de quem fui um dia, mas não coube. Visto-me de futuro, às vezes até contra minha inclinação nostálgica, para SER o que de fato estou me TORNANDO.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

PROFETAS

Há pessoas que sentem profundamente tudo o que acontece ao seu redor e mesmo o que distante, lhes chega como notícia; ainda que seja passado, história.

Têm um nervo exposto na alma, como se fosse o nervo de Deus.

Sua tendência é assimilar tudo como seu. A dor do mundo; as responsabilidades de todo mundo. Não separaram realidades, carregam surtos messiânicos.

São como Elias que disse a Deus que só havia ele na terra para cuidar de tudo. Como Samuel que disse que a nação o rejeitava pessoalmente.

Deus precisou diminuir seu senso de justiça e importância. Disse que Elias não era o último ou o único de sua geração. Disse a Samuel que o povo não o rejeitava, mas ao próprio Deus.

Elias, você não é o único que sofre e sente. Samuel, você não é tão importante assim.

Descanso. Recolocação do Ego. Alívio.

Profetas são assim. Incompreendidos, solitários, ingênuos sobre si mesmos e atormentados.

Precisam ser lembrados com amor pelo Criador que são apenas homens, não deuses.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

LUGAR DE CRIANÇA

Eu não acredito numa espiritualidade que não inclua as crianças. Por isso que não me atraem os mosteiros e as práticas de meditação silenciosa prolongada, onde as crianças não são benvindas.

Prefiro andar com Jesus, que disse que as crianças não atrapalham, antes, que o Reino a elas pertence.

Publicado em

FELIZ DIA DA MATERNIDADE

Homenagear as mulheres com o Dia das Mães é assumir que a elas cabe uma missão essencial à maternidade. E também afirmar que ser mulher e ser mãe são duas realidades. Nem todas as mulheres carregam o instinto para a maternidade.

A masculinização das afeições e do trato feminino pode estar diretamente ligado ao desapego da maternidade. Assim como a feminilização do masculino tem gerado no homem um desenvolvimento por traços de maternidade. Homens mais sensíveis e mulheres mais brutas tem marcado uma geração que está precisando reaprender a se organizar em gêneros.

As pessoas que ainda nutrem e desenvolvem o espírito de maternidade são responsáveis pela experiência fundamental da Graça e da Aceitação. É a maternidade a responsável por informar ao indivíduo que não importa o que lhe aconteça e nem o que ele construa existencialmente, sempre será amado, aceito e terá pra onde retornar.

O Pai da Parábola do Filho Pródigo, contada por Jesus, é pãe; metade mãe em seu desprendimento do senso de julgamento quando do retorno do filho irresponsável e sua absoluta aceitação de volta ao lar. Em Isaías 49.14,15 o Pai de Israel se diz como uma mãe que não abandonaria seu filho de modo algum.

Em dias em que considerável grupo de mulheres assume não ter natural instinto materno (e esta aceitação é saudável e honesta) e muitos homens desenvolvem um lado materno (talvez por carência afetiva da mãe, talvez por instinto de proteção evolucionista da espécie), a maternidade deve ser celebrada a partir de uma reflexão mais profunda.

Maternidade é o ambiente existencial da experiência fundamental da Graça. Celebrar o Dia das Mães é celebrar, antes de tudo, a vida das pessoas que nutriram em nós a confiança do Amor essencial, protetor, acolhedor e com garantia de retorno. É comemorar a segurança de que não importa onde estejamos, temos sempre pra onde voltar.

Feliz Dia das Mães e dos Pães!

©2015 Alexandre Robles

Publicado em

ANTES QUE CHEGUE O DIA

Importante não trocar uma realização duradoura (família, carreira, comunidade de amigos e de fé) por uma experiência passageira. Quando a velhice chegar, vamos precisar de raízes e não de asas. Nosso dia dependerá de um bom cobertor, algumas fotografias, uma antiga cadeira e uns poucos minutos de prosa com um filho, um neto, um amigo, semeados nos tempos do vigor.

Nas palavras de Salomão em Eclesiastes 12: “lembre-se do seu Criador nos dias da sua mocidade, antes que cheguem os dias em que dirá não ter neles prazer”. 

2015 Alexandre Robles

Publicado em

Há algo que definitivamente as realidades espirituais e as pessoas que não acreditam em tais realidades precisam saber; que quando dizem a nós, os que cremos, que somente um milagre pode mudar uma situação, é exatamente quando não nos abalamos, mas oramos mais ainda.

Ouvir que somente nos resta um milagre nos faz orar mais. Entendeu como funciona?

Publicado em

Não há fé mais profunda do que a entrega de si mesmo, dos seus amados, do controle, da força, em total dependência a Deus, dizendo: “que seja feita a tua vontade, mesmo não sendo a minha.”

Publicado em

MEUS HERÓIS MORRERAM DE OVERDOSE

Os profetas da minha geração, que me ajudaram a pensar criticamente e acreditar numa outra via política e social mais à esquerda, quando viram seus representantes partidários ascenderem ao poder, abandonaram o profetismo e passaram a defender o Rei, em nome do discurso de defesa do pobre que o partido que está no poder tem tido muitos anos para proteger. Mas como? Com esta máquina de corrupção que foi construída? Onde estão os meus profetas heróis? Os leio afirmando que a teoria de proteção aos pobres justifica a corrupção sistêmica.

Sacerdote protege Rei. Profeta denuncia até a si mesmo.

Meus profetas voltaram do Deserto e estão sentados à mesa do banquete hipócrita promovido pelo governo que desprotege os pobres por quem tanto disse lutar.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

BRASIL, OLHA PRA CIMA

Anseio por ver um verdadeiro estadista, supra-partidário, não um messias salvador, mas um cundutor e inspirador de planejamento nacional, alguém que promova debate e proponha ações para a construção de uma nação, com metas emergenciais de curto prazo, mas especialmente com diretrizes de organização a longo prazo, para os próximos 50 anos e não apenas para alguns anos de seu mandato visando reeleição e manutenção no poder a qualquer custo eleitoral.

Anseio por ver profetas também supra-partidários, que tenham coragem e isenção, tanto para assumir suas posições politico-sociais com clareza, quanto para denunciar qualquer um que descumpra os acordos sociais, especialmente para denunciar aqueles que apoiaram publicamente. Que sejam homens e mulheres que falem em nome da justiça, em nome de Deus, e não seguindo cartilhas ideológicas.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

O BEBÊ ACORDOU

A democracia é canção de ninar que faz dormir conservadores retrógrados por um tempo, mas eles acordam um dia e pedem a volta do Milatarismo, extinção de direitos trabalhistas, armamento pessoal, diminuição de maioridade penal, etc. A esquerda no governo fez tanto barulho de corrupção, que acordou a direita mimada e raivosa, com fome. Agora quero ver quem é que vai pôr a criança pra dormir de novo!

Publicado em

QUE REI SOU EU?

Eu tenho certeza de que para equilibrar os cofres públicos, bastaria diminuir os gastos com o próprio governo, com salários, cargos comissionados, aditivos de salários, etc. Eles ganham muito mais do que precisam e imensamente mais do que merece a maioria. O Estado é um Monarca desavergonhado que se mantém às custas do sacrifício de seus súditos e apoiado pela administração dos Nobres a quem enriquece através de licitações corruptas. Ao povo, o pão e o circo do consumo de bens financiados, da cultura de massa e do bolsa-assistêncialismo. Aos Nobres, fábulas de dinheiro em transações malditas. Ao Rei, tirania camuflada de democracia.

Alexandre Robles

Publicado em

PROTEJA-SE

A Globalização tem o poder de acelerar os processos, especialmente através da Internet. Não há mais limites precisos de restrição da informação. De crianças a idosos, todos estamos expostos o tempo todo a tudo. Às catástrofes naturais que nos dizimam, à corrupção que nos governa, à maldade humana que cruelmente comete seus crimes, à falta de significado que produz sua cultura, à propaganda que gera demanda para oferecer consumo desnecessário e predatório.

Jesus advertiu sobre o que deveríamos fazer em tempos assim: proteger para não sobrecarregar nosso coração com a busca do prazer como um fim em si mesmo, com a alienação da consciência e com a insatisfação crônica.

É preciso saber viver.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

OU DÁ OU DESCE

Houve um tempo em que eu tinha dó e me achava até responsável por pessoas que, a meu ver, eram enganadas e manipuladas por pessoas que usam o nome de Jesus em vão, para enriquecer e ascender ao poder, gente como Edir Macedo e seus imitadores.

Hoje já não sou tão ingênuo e entendo que as pessoas que seguem, participam, promovem e financiam o Império Universal e outros tantos reinos religiosos espalhados por aí, estão na verdade investindo num grande negócio.

Se com Deus é assim, como o Macedo ensina abertamente, que quem dá mais recebe mais, então é um bom negócio.

E eu nem me importo se o líder enriquece. Aliás, ele inspira minha fé com sua ostentação. Gospel Ostentação. Quanto mais eu vejo ele aparecer na lista da Forbes como bilionário, mais quero investir no negócio que ele dirige a fim de chegar lá também. Pensam.

Sei que há pessoas ainda manipuladas, mas em breve ou elas acordam para a verdade do Evangelho e abandonam o Macedo e seus semelhantes em muitos templos evangélicos, ou elas se convertem ao sistema de retribuição divino e passam a investir conscientemente seu dinheiro aguardando o retorno para se tornarem ricos.

E eu sei que o que escrevi nos últimos quase 20 anos e o que escrevo hoje sobre essas e outras questões não vão mudar o sistema. Só acordei querendo deixar claro que o Evangelho que eu anuncio não é a mesma coisa que fala o Edir Macedo e os profetas da Teologia da Prosperidade, embora o nome de Jesus esteja presente de modo comum em nosso discurso.

Eu falo algo completamente diferente sobre Jesus.

E que Jesus julgue entre mim e o Macedo. Não temo o que pensam os homens, sou reverente a Jesus. Não tenho compromisso com denominações religiosas, pensamentos de classe, corporativismo de categoria, sou um homem livre, justamente por estar algemado, inclusive contra mim mesmo, ao Evangelho de Jesus de Nazaré, meu Salvador, a quem devo minha vida e de quem recebo tudo de Graça, pela Graça, a quem jamais dei ou darei nada a fim de receber em troca, de quem não posso exigir nada como direito meu, porque a restituição do que me é direiro, aliás, seria a morte.

Confesso minha devoção e obediência a Jesus. Confesso que sou pecador. Confesso que vivo pela Graça. E rejeito com veemência toda pregação e tudo o que representa um homem como o Edir Macedo e seus semelhantes profetas espalhados por muitas denominações evangélicas em nossa geração.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

QUANDO EU PRECISEI DE SANGUE

Jesus disse que um dia agradecerá àqueles que lhe deram de comer, vestir, beber, que o visitaram. Estes perguntarão quando foi que isso aconteceu e Ele dirá que cada vez que fizeram isso aos que mais precisam, a Ele fizeram.

Será o susto do bem. Muita gente vai levar o susto bom de descobrir que seus atos de solidariedade foram recebidos como culto a Deus.

Dias atrás divulguei que uma pessoa precisava de doadores de sangue. Uma fila tão grande se formou na porta do Hospital que vários tiveram que voltar pra casa.

É deste modo que servimos a Deus. Jesus vai agradecer pessoalmente.

A Igreja de Jesus não ocupa o noticiário por seu moralismo, por sua estupidez dogmática, por manipulação de seus fiéis ou pelos crimes de seus líderes. Esta é a Religião Cristã que usurpa o nome de Jesus.

A Igreja de Jesus é comentada à boca miúda, como o povo que se mobiliza pra dar o próprio sangue a uma pessoa só.

Obrigado por inspirarem minha alma a ter fé e seguir acreditando na Igreja.

Deus os abençoe.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

NINGUÉM MANDOU

(Vocês acham que as pessoas que estavam na boate eram mais pecadoras do que as que estava no Templo? Vocês acham que as meninas que vinham da festa eram mais pecadoras do que aqueles que vinham da vigília? – Perguntaria Jesus, segundo Lucas 13).

Contaram a Jesus que Pilatos estava assassinando galileus, de modo absurdo e agressivo; que misturava seu sangue com o sangue de animais em seus sacrifícios. Outro evento comentado pelas ruas, era de uma torre que havia caído e matado 18 pessoas.

Sempre nos foi natural procurar alguma culpa em quem sofreu.

Essas pessoas que morreram de modo tão agressivo devem ter feito algo grave; ou seus pais; ou eles mesmos; ou em outra vida. Se encontrarmos alguma lógica satisfatória, nos conformamos. E aqueles que estavam sob a torre, estavam no lugar errado, provavelmente não deveriam estar ali.

Pensamos assim quando cai teto em boate repleta de jovens; quando acontece um acidente de carro no retorno de uma festa. Neste caso, foi consequência de uma escolha errada, de um pecado.

Jesus, porém, perguntou de forma retórica, em Lucas 13, o texto que registra as histórias acima: “vocês acham que aqueles galileus eram mais pecadores do que os outros, por causa do que lhes aconteceu? Vocês acham que aqueles 18 que morreram quando caiu a torre de Siloé eram mais pecadores do que todos os outros habitantes de Jerusalém?”. Não, Ele afirmou.

Não é o pecado que causa esse tipo de sofrimento. Chacina acontece ao longo da história contra qualquer grupo, indiscriminadamente, inclusive aos mártires cristãos. Tetos de Templos Religiosos Evangélicos caem sobre fiéis em culto; acidentes de carro matam profetas; terremotos matam ativistas humanitários em atuação de socorro aos mais necessitados.

Não há ligação direta entre nossos pecados e os eventos catastróficos da vida!

Separando as questões, tratamos corretamente. Tragédias, às vezes têm explicações técnicas que podem ser evitadas, mas nem sempre. E o fato de sermos pecadores não gera tais eventos, assim como é engano acreditar que já que não somos vítima direta é porque não estamos em pecado.

A análise simplista do fato nos faz crer que as vítimas são pecadoras e o observador não. Jesus disse que todos são. Não somente quem sofre. E disse que devemos prestar atenção em nosso pecado, não na tentativa de encontrar explicação para tais eventos.

Quanto mais tribal e primitivo é o pensamento religioso, mais facilmente explicamos a vida. Morreu porque é pecador ou estava em lugar errado, fazendo algo errado. Eu que estou vivo, fui contado entre os que merecem viver e não morrer. Lógico!

Jesus explica que tal lógica não é verdade. Lógica reducionista e preguiçosa, aliás.

Vocês acham que as pessoas que estavam na boate eram mais pecadoras do que as que estavam no Templo? Vocês acham que por estarem voltando da festa as meninas eram mais pecadoras do que os pastores que voltavam da vigília? – Perguntaria Jesus para nós hoje.

Há outras razões que devem me fazer avaliar se é certo ou não ir à festa ou à vigília, à boate ou ao templo, mas não a possibilidade do acidente e da tragédia. Maior tragédia sempre será se o teto da minha alma não se sustentar sobre vida que pretendo viver.

O que nos cabe sempre é avaliarmos a nós mesmos, sobre o quão frágil, quão imponderável, quão curta pode ser a vida. Cabe-nos aproveitar o coração sensibilizado e perdoar, amar, orar, encontrar sentido apesar da brevidade da existência.

Eu sei que não sou menos pecador do que qualquer pessoa que sofre!

©2015 Alexandre Robles

Publicado em

COM UM POUCO A GENTE PODE AJUDAR MUITO

Apoio e indico estas organizações, para seu conhecimento e doação:

Esses caras criaram um tipo de sandália que pode “aumentar” até cinco tamanhos e serve para populações de extrema pobreza, que sofrem com doenças decorrentes por estarem descalços em lugares com quase nenhum saneamento básico. Conheça e doe:
https://www.theshoethatgrows.org

A Visão Mundial atende crianças e pessoas necessitadas ao redor do mundo. Você pode apadrinhar crianças com valores mensais:
www.visaomundial.org.br

Médicos Sem Fronteiras , atua na prevenção e tratamento de doenças entre as populações mais carentes de todo o mundo.
http://www.msf.org.br

Publicado em

EU ORO PELA CURA DE QUEM AMO

Quando oramos, não temos a pretensão de que sem nosso clamor Deus não aja; ou de que haja qualquer credibilidade ou justiça próprias que nos autorizem a exigir algo de Deus; e nem por nos prendermos a elementos simbólicos visando acessar algum mover místico de Deus. De fato, não sabemos e não podemos garantir o que Deus fará. Oramos, portanto, não para que Deus faça a parte dele, mas para dizer a Ele que se dependesse de nós, aconteceria o que estamos pedindo.

O restante é com Ele. Sempre é, por mais que nos esforcemos em crer e fazer com que não seja. No final, é sempre com Ele. Ele sabe o que é bom e mau. Ele sabe tempos e modos. Ele sabe e age.

Ao orarmos por alguém que amamos, para que não morra, estamos pedindo por nós, pela dor da separação, pelo medo de como será a vida depois.

Quando oramos pedindo a Deus que cure alguém, estamos dizendo que se dependesse de nós, o curaríamos, se estivesse ao nosso alcance, faríamos. Como não está, declaramos dependência a quem pertence a vida.

Oramos pedindo cura, porque não queremos perder quem amamos, mesmo quando sabemos que de Deus não se perde, mesmo sabendo que estará com Ele.

Porque amamos, oramos. Porque cremos, oramos. Porque dependemos, oramos.

2015 Alexandre Robles, orando pela cura da Lorena.

Publicado em

SERVE PARA SE CAMINHAR

A utopia. Essa moça viçosa que queremos tocar, mas que sempre está a alguns passos de nosso alcance. Tal qual horizonte que nos convida a navegar, mas que sempre será horizonte à frente, nunca alcançado, não importa quão distante tenhamos chegado. Pra que serve então a utopia, se não a vamos alcançar? “Para isso mesmo”, disse sabiamente Fernando Birri, tão repetido por Eduardo Galeano. E completou: “para que caminhemos”.

Alexandre Robles

Publicado em

É A MINHA CONDIÇÃO

Errar é minha condição. Não errar, minha utopia. Desejar não errar, meu caráter. Ensinar o certo, minha responsabilidade. Pedir perdão; perdoar, a mim mesmo e a quem me fere; consertar, quando possível; assumir, quando necessário; recomeçar sempre, são minha vida possível.

Alexandre Robles

Publicado em

NO PERFIL DE JESUS

“Pai, não peço que os tires das redes sociais, mas que os livres do mal”.
Parafraseando João 17

Buscando o limite entre estar na virtualidade, mas permanecer real; entre se comunicar com muita gente, mas preservar a intimidade; entre acessar infinitas possibilidades de informações, mas reter apenas o que é bom.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

ELE FALOU MEU NOME

Maria Madalena foi ao sepulcro e não encontrou o corpo de Jesus. Chorava, pensando que alguém havia violado e roubado. Jesus aparece ressurreto diante dela. Ela ainda não o reconhece. Mas quando Ele a chama pelo nome, não precisa dizer mais nada; ela o reconhece, se ajoelha, o adora e compreende que Ele está vivo!

A Páscoa somente tem significado para quem ouviu Jesus dizer o próprio nome, numa experiência de conversão espiritual.

Só sabe que o Homem de Nazaré está vivo e é Deus, quem o ouviu na alma, falar seu nome e convidar à vida.

Às pessoas que diante de sepulturas de seus próprios corações, estiverem chorando suas dores e vazios, Jesus há de aparecer, suavemente, e chamar pelo nome.

Ele tem feito assim! Desejo que faça agora com muitos.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

MEU RESPEITO

Eu só respeito opinião de especialista que está envolvido e atuando nos temas em debate. Eu só respeito gente que defende causas colocando a mão na massa e pagando na carne o preço do envolvimento. Eu só respeito militante que não lucra com as causas que defende. Isso serve para políticos, líderes religiosos, representantes de causas e agremiações.

Publicado em

E SE DER CERTO?

Já parou pra pensar como vai ser se der certo? E se a pessoa por quem você ora, para quem pede oração na Igreja, de quem reclama para justificar suas ausências e sobre quem deposita toda a culpa dos problemas de sua família, enfim, imagina se essa pessoa mudar, se converter!? Como vai ser?

Imagina se esse sonho se concretizar, se esse projeto der certo, se o negócio sair!! 

Você está pronto para ter ao seu lado uma pessoa nova, livre, melhor, que não pode ser mais culpada de tudo o que em você não está bom e não dá certo?

Você está pronto para dedicar tempo, está pronto para ser da turma da iniciativa, está pronto para deixar de ser crítico para ser realizador se o negócio sair? Ser a pessoa que assume os maiores riscos e de não poder mais reclamar de superiores, mas de ter de fazer o que tem que ser feito?

Você está pronto para sua vida “dar certo”? 
Foi assim na Ressureição de Jesus. Os discípulos ouviam dizer que Ele era Deus que iria vencer a morte e usá-los para mudar a história. Mas podia ser mais uma metáfora do Mestre; e sendo, o problema deles seria apenas sofrer a morte dele, se resignar, deixar a poeira baixar e voltar pra casa, pra Emaús, voltar a pescar, talvez lembrar de boas historias e culpar a religião e o Governo pelo que fizeram com Jesus.

Mas Ele ressuscitou! 

“Deu certo” e não se pode mais viver como antes. Acabaram as desculpas, precisamos nos engajar. Não se tem mais bodes expiatórios, porque o cordeiro já foi sacrificado e ressuscitou.

Isso, não tem bodes expiatórios, quem vive sob os efeitos da Ressurreição do Cordeiro.

As pessoas de quem reclamamos se convertem e mudam. Vamos falar mal de quem?

O sonho que adiava nossa atitude e servia de desculpa se realizou. Vamos postergar como?

Quando da certo, ja não temos mais desculpas para ser e realizar quem e o que devemos.

A ressurreição de Cristo é uma convocação a assumirmos a vida de frente e vivermos como quem sabe que a qualquer momento pode dar certo de verdade o que nem sempre acreditamos que é possível e por isso usamos para esconder nossa fuga da vida.

O problema é se der certo, companheiro!

2015 Alexandre Robles

Publicado em

A LOUCURA PODE TER RAZÃO

Se Jesus de Nazaré não é o Messias profetizado na Antiguidade Judaica, se Ele não ressuscitou da morte, então nós, os que cremos, celebramos nossa fé ao redor do mundo, conhecidos como “povo da cruz”, somos os “mais infelizes de todos os homens”, como disse Paulo.

Cri e pautei toda minha existência na afirmação de que a ressurreição de Jesus é o Evento Histórico que sustenta o Universo inteiro e que além de ser a realidade definidora da história, também explica toda a existência.

Se não for verdade, eu sou apenas um louco.

Mas se for verdade, então somos os profetas da Humanidade, pois estamos celebrando a dois mil anos que Jesus Cristo é Deus que morreu em nosso lugar para termos sua vida.

Se a loucura mais absurda da história for a Verdade, então estamos salvos e faz todo sentido celebrar.

O que é a Páscoa pra você? Apenas a loucura de um povo alienado ou a Verdade que conduz sua vida?

2015 Alexandre Robles

Publicado em

É BOM SABER

Jesus sabia quem era, de onde vinha, para onde iria e qual era sua missão; e sabendo, transitava tão livre de qualquer apego entre os homens, que podia servi-los e até oferecer sua vida a eles. Por isso, lavou os pés dos discípulos como se fosse um escravo.
Jesus sabia que o amor não é uma ideia romântica, mas um ato prático. Sabia que seus discípulos ficariam com medo e desejariam fugir e desistir de tudo, quando ele fosse preso. E porque os amava de verdade, resolveu mostrar seu amor de modo prático, na hora em que eles mais precisavam, mesmo sabendo que não entenderiam na hora.

Jesus sabia que o melhor ato de amor é fazer algo que uma pessoa precisa no momento. Ele sabia que seus discípulos estavam com os pés cansados, feridos e sujos, por causa da longa jornada.

Jesus sabe que os homens se cansam, pés e alma, com a poeira e as pedras na jornada da existência. Ele sabe que água para os pés alivia também a alma. Aos cansados, oferece descanso; aos feridos, cura; aos sujos, limpeza.

A partir daquele dia Jesus disse que todo aquele que diz segui-lo, precisa saber que amar é lavar pés uns aos outros. Não necessariamente os pés estarão cansados, feridos e sujos, mas certamente a alma de quem vive, precisará da água viva que refrigera, trata, limpa.

Isso tudo a gente sabe lendo o capítulo 13 do evangelho de João.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

SAGRADO

Não o Templo, não o Religioso, não o Dogma, o que é Sagrado?
A voz do Milton, acho que é. Certamente a mensagem que ele canta aqui. Por favor, ouça esse Hino de Louvor a Deus, de amor à vida, de respeito ao que realmente é sagrado.

Publicado em

EXISTE AMOR NA CIDADE

Da varanda, ouço minha esposa falando sozinha. Pergunto se me chamou e ela diz que não, que está conversando com suas plantinhas. Percebo, então, que enquanto o ser humano conversar com flores e plantas, ainda há esperança para a humanidade. É um traço de um tempo em que não éramos angustiados e brutos extratores de recursos, mas que ouvíamos a terra, sentíamos a natureza, interagíamos respeitosamente com a Criação.

Publicado em

TU O DIZES

Quando Jesus se calou diante de seus acusadores, lembrou-nos, dentre outras razões, que não é verdade que “quem cala consente”; e demonstrou que certas vezes, o silêncio é a melhor forma de contestação, simplesmente porque a acusação ou a crítica, não merecem sequer uma resposta.

Publicado em

CONJUGANDO O VERBO PERTENCER

Algumas afirmações do Apóstolo Paulo foram malinterpretadas pela Tradição Cristã, que influenciou a cultura ocidental. Um dos exemplos é a questão de gênero. A Tradição Cristã desenvolveu tendências machistas, baseada em textos de Paulo.

Mas quando leio uma de suas afirmações, de que “o corpo do homem pertence à mulher e o da mulher ao homem” justamente num contexto em que ele trata da importância de desfrutarem frequentemente de sua vida sexual, discirno em Paulo, um pensamento e um posicionamento ao mesmo tempo libertários e profundos.

Não há, na essência do Evangelho, polarização de gênero, mas a afirmação de que homens e mulheres têm o mesmo valor diante de Deus e da vida. E de que o ideal da unidade conjugal é a entrega mútua entre um homem e uma mulher.

Essa conjugabilidade pode ser fonte de cura para traumas em homens e mulheres, em seus corpos e almas.

É questão existencial fundamental para a essência espiritual judaico-cristã, a União restauradora entre uma mulher, que surgiu de parte do corpo do homem e o homem, que nasceu de mulher.

Um ao outro, um do outro, doados e acolhidos, sem donos de si, mas servos do outro.

Nossos medos geram senso de autopreservação, que é a fonte de todas as competições, inimizades, fobias e agressões de gênero.

Quando confiamos que o outro haverá de receber nossa entrega e dedicação e haverá de cuidar de nós, podemos nos entregar.

Um ser do outro e para o outro.

Torna-se, a conjugabilidade, um ato de fé. Dois se entregam e se doam, na esperança de serem acolhidos, protegidos, retribuidos.

Encerra-se uma busca existencial elementar, porque erroneamente buscamos conquistar o mundo, dos bens, passando por posições, chegando a pessoas; quando na verdade nossa alma quer pertencer, a Deus e a quem amamos.

Um pertence ao outro. Diz o Paulo.

Tornam-se um do outro sem medo de ser abusado, rejeitado, traído, abandonado.

Utopia? Ideal, eu diria. Anseio da alma, mesmo quando ela insiste em criar fantasias emocionais, sociais e sexuais.

Sobretudo, insisto, um ato de fé, que deve começar em um, na esperança de que os dois sejam invadidos pela conjugabilidade existencial.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

A CULPA É MINHA E EU A COLOCO EM QUEM EU QUISER

Homer Simpsom

Costumamos criar o antagonismo do “nós e eles”. E isso já faz tempo! Adão disse que a culpa era “dela”, da “mulher que me deste”. Apontamos o erro “deles” para tirar atenção de sobre “nós”.

Até que “nós e eles” encontramos um inimigo comum, fazendo valer a máxima de que “o inimigo do meu inimigo é meu amigo”. Eva também encontrou alguém em que colocar a culpa, a serpente. Assim o casal voltou a se olhar como “nós” e colocou a culpa “nela” na serpente. Poucas realidades têm mais poder de unir pessoas do que um inimigo em comum.

Publicado em

GABRIELA

Sou um homem de fé. Creio que nós os humanos podemos mudar. Creio nisso por causa da flexibilidade que vejo em minha própria alma. Hoje, já na metade da jornada, começo a aceitar o fato incômodo de que haverei de me converter muitas vezes até o fim. Conversões doem, pressupõe exposições à verdade. Mas não há remédio pra mim, terei de conviver com as transformações pessoais, fundamentadas em perdas, mortes, descontruções profundas, pois a alternativa mortal a este processo mortífero seria a inabalável sustentação de um ser incapaz de mudar, de crescer. Estou condenado a ter fé na mudança de um ser humano, pois não consigo olhar qualquer pessoa, especialmente os que mais de perto olho, sem a expectativa de que possam mudar, crescer, se adaptar. Olho todos com a mesma fé com que olho pra mim. Sim, minha expectativa não é menor do que esta imensa capacidade que carregamos de despir-nos do velho a fim de receber o novo. Ninguém que nasceu “assim”, acostumou-se assim, precisa morrer assim. Sou um homem de expectativas, pois sou um homem de fé.

2015 Alexandre Robles  

Publicado em

A paz é uma construção, que exige atenção, cuidado, dedicação, perseverança, tolerância e amor. Já o conflito não precisa que nos esforcemos nem que sequer nos dediquemos; ele não pede permissão para se estabecelecer em nós e a partir de nós.

Publicado em

AFETO PRA QUE TE QUERO

Não à toa, Jesus Cristo ouvia o Pai-Criador chama-lo de filho amado. Ouviu imediatamente antes da tentação no Deserto; na ocasião da aparição de Moisés e Elias; e quando Ele perguntou aos seus amigos o que o povo dizia a seu respeito.

Tais declarações são confirmações afetuosa sobre quem somos. E são vitais.

A vida vai tentar, de todas as maneiras, abalar nossa confianca; e serão as afirmações afetuosas que nos sustentarão, aqueles olhares de acolhimento e aquelas palavras que afirmam que somos amados, que não estamos sozinhos, que vai ficar tudo bem.

Certamente, alguém hoje, está precisando de seu afeto afirmativo.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

QUE PAÍS É ESSE?

Eu também me pergunto, Sr. Renato Duque.

“Nas favelas, no Senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?

No Amazonas, no Araguaia iá, iá,
Na baixada fluminense
Mato grosso, Minas Gerais e no
Nordeste tudo em paz
Na morte eu descanso
Mas o sangue anda solto
Manchando os papéis, documentos fiéis
Ao descanso do patrão
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?

Terceiro mundo, se for
Piada no exterior
Mas o Brasil vai ficar rico
Vamos faturar um milhão
Quando vendermos todas as almas
Dos nossos índios num leilão
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?”
Renato Russo

Publicado em

Alguém pergunta se estou ocupado. Respondo que sim e não. Sempre estou o suficiente para não atender certas demandas e certas pessoas; e sempre posso deixar o que estou fazendo, diante de certas demandas e certas pessoas.

Publicado em

EU QUERIA ESTAR ERRADO

Não aprecio os críticos cínicos que diante do caos apenas dizem: “Eu não disse?”. Sugerem que tudo o que queriam era mostrar a razão de seus argumentos. Prefiro os críticos que choram ao constatar a realidade, mas que no fundo gostariam de estar errado em sua avaliação.

Tipo Jesus de Nazaré, que observando sua cidade, constatando suas maldades, dizia: “Jerusalém, Jerusalém, você matou profetas que foram enviados para avisa-la! Quantas vezes eu a quis proteger como uma galinha aos seus filhotes, mas você não quis! Agora você ficará desabitada!”.

Publicado em

ESTAMOS EM LUTA, MAS NÃO EM GUERRA

Li a resenha que um blogueiro fez do filme “American Sniper: lobos e ovelhas”. Diz ele que o Diretor quis mostrar o preço pago por um homem com firmeza de princípios e opinião que vive num mundo relativizado; que aqueles que defendem princípios morais numa sociedade relativista, acabam por serem considerados fundamentalistas. E afirma que o soldado que fica conhecido por sua fama de matar, estava na verdade defendendo milhares de pessoas em cada tiro certeiro contra o inimigo. 

A questão central do Evangelho é que Jesus nos ensinou que devemos sim ter fundamentos e opinião, que devemos sim pregar a Justiça e que ao fazermos isso entraríamos em conflito, seríamos perseguidos, chegando ao isolamento solitário em muitos casos.

A diferença entre o solado americano, filho de evangélicos que decide ir às ultimas consequências por aquilo que crê é, de fato, esta última consequência.

O que o espírito protestante-evangélico não entende é que a ultima consequência por crer e viver de modo tão radical sua fé não é a morte dos inimigos, mas a morte si mesmo.

Jesus ensinou que no conflito contra os inimigos, Ele não mata, mas morre.

Jesus não nos convocou à Guerra, mas ao Sacrifício.

O martírio da Igreja é seu sinal mais contundente da presença do Reino de Deus no mundo.

Não confundamos, estamos em Luta, não em Guerra.

Foi porque Jesus decidiu não matar o inimigo, mas morrer em seu lugar, que hoje estou vivo, eu, um de seus maiores inimigos.

2015 Alexandre Robles

Publicado em

Democracia é o equilíbrio entre Direitos e Deveres de Todos os cidadãos. Todo mundo tem o Direito de protestar contra o que entende ser errado. E tem o Dever de agir certo, especialmente sobre o que protesta.

Publicado em

VOCÊ ESTÁ FAZENDO ISSO MUITO ERRADO #6

#6
Você se impressiona com líderes carismáticos, que o fazem chorar de emoção, defende-os contra qualquer acusação e financia seus impérios com jatos particulares, mansões, nome citado como bilionário da Forbes. Não entende que não é honesta uma pessoa que enriquece com as causas que defende.

Você está fazendo isso muito errado.

Publicado em

VOCÊ ESTÁ FAZENDO ISSO MUITO ERRADO #5

#5
Você se especializa em entreter as pessoas com mensagens de autoajuda escondida atrás de textos bíblicos e músicas religiosas e se impressiona com a pequena multidão que o segue e lota seu templo aos domingos, enquanto os verdadeiros profetas sempre foram rejeitados por suas palavras esclarecedoras e revolucionárias. Você quer agradar para atrair seguidores, enquanto os profetas de Deus sempre querem incomodar para transformar.

Você está fazendo isso muito errado.

Publicado em

VOCÊ ESTÁ FAZENDO ISSO MUITO ERRADO #3

#3
Você canta canções de gueto religioso que recitam crença num deus que está ocupado de realizar seus sonhos infantis de consumo, enquanto cristãos são perseguidos e mortos por terroristas islâmicos, enquanto milhares de pessoas vivem abaixo da linha da pobreza em volta do mundo, enquanto milhares de pessoas são escravizadas, inclusive para produzir a roupa e o celular que você acha que merece ter por ser fiel cristão e ir a igreja.

Você está fazendo isso muito errado.

Publicado em

VOCÊ ESTÁ FAZENDO ISSO MUITO ERRADO #2

#2
Você sonega imposto, dizendo que “não vai dar dinheiro para o Governo corrupto”, mantém um caixa para pequenos acordos com fiscais, oferece a cervejinha para o policial de trânsito, compra peças de carro em desmanches no mínimo suspeitos; e vai protestar nas ruas contra o corrupção do Governo.

Você está fazendo isso muito errado.

Publicado em

VOCÊ ESTÁ FAZENDO ISSO MUITO ERRADO #1

#1
Você acha que protestar contra a corrupção no Governo é desrespeitar a autoridade escolhida por Deus (de acordo com sua interpretação bíblica); mas quando o Governo considera questões como aborto e casamento gay você sai às ruas pra defender a Moral e a Fé.

Você está fazendo isso muito errado.

Publicado em

SE ESTA RUA FOSSE MINHA CONSCIÊNCIA

No dia 15 de Março de 2015, pessoas sairão às ruas em protesto, dizer que não suportam mais a corrupção, dentre outras insatisfações. O povo vai à rua dizer que não quer mais estes que estão no poder.

O importante, antes de mais nada, é discernir que estamos colhendo o que plantamos. Somos um povo corrupto. Nosso DNA cultural é corrupto, somos a sociedade que cria “dificuldades para vender facilidades”.

Seria bom se cada brasileiro entendesse que nesse dia, estaremos protestando contra nós mesmos, nosso jeito de pensar e nossa cultura.

Corrupto não é somente este Governo, mas todo um sistema político. Corrupta não é somente a política partidária, mas toda a nação. Corrupto não é somente o povo brasileiro, mas eu e você, nas pequenas barganhas que fazemos no nosso dia a dia.

Há maior honra em denunciar o mal da sociedade, incluindo-se como parte dela, assim como fez um Profeta Hebreu chamado Isaías, que afirmou ser “um homem de lábios impuros, que habita em meio a um povo de impuros lábios”.

Minha consciência é a rua em que irei protestar amanhã, contra mim e a favor de minha geração, de meus filhos e dos filhos dos meus filhos.

Em tempo, duas canções apropriadas para quem sabe se enxergar, como o Profeta Isaías.

©2015 Alexandre Robles

https://www.youtube.com/watch?v=3hYiXI_BbRk

https://www.youtube.com/watch?v=vPSAWkhRSAA

Publicado em

Neonazisno na Europa, Religião Medieval no Oriente Médio, “Cubanizacão” nas venezuelas latinas, espírito de Revolução Militarista no Brasil, etc. E tem gente que acha que estamos progredindo. Pobre de nosso analfabetismo histórico.

Publicado em

EM DIAS DE REDES SOCIAIS 

Cuidado para não praticar suas orações, esmolas e jejuns para ser visto pelos homens. Quem assim faz, já alcançou a recompensa que queria. Quando orar ou fizer algo bom, não poste fotos, textos ou links. Apenas se mostre Àquele que não precisa nem estar na Rede para saber quem é você.
Paráfrase de Jesus Cristo em Mateus 6.1-18

Publicado em

Sabedoria é moça que chega quando estamos velhos. Por isso o sábio ri de si mesmo e desfruta em paz da vida sábia que não pode manter, que tão tolamente tentou, achando que ela habitava a jovialidade de sua cultura, conhecimento, produtividade e relevância.

Publicado em

HINOS SOBRE O TEMPO

(Como eu gostaria que você perdesse um pouco do seu tempo para ler até o fim! )

Sabe aproveitar melhor o tempo, quem aprendeu a dar valor ao que é essencial, mesmo quando parece não ter utilidade. Talvez por isso que nos atraem recém-nascidos, pôr do sol. Que utilidades têm para nosso mundo apressado e produtivo? O que não é considerado útil, me atrai. Quanto mais me liberto, mais aproveito o tempo de uma conversa com café e mais me arrependo de todas as vezes que apressei as demandas de atenção do meu filho, da minha mãe, da minha amada menina. Um amigo disse algo que reproduzo com minhas palavras: Quando não sabemos quanto tempo temos de vida, só temos o momento.
Alexandre Robles

“Que não tenhamos pressa, mas que não percamos tempo”.
Saramago

“Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
A vida não para
Enquanto o tempo
Acelera e pede pressa
Eu me recuso, faço hora
Vou na valsa
A vida é tão rara
Enquanto todo mundo
Espera a cura do mal
E a loucura finge
Que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência
O mundo vai girando
Cada vez mais veloz
A gente espera do mundo
E o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência
Será que é tempo
Que lhe falta pra perceber?
Será que temos esse tempo
Pra perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara”
Lenine

“Ando devagar, porque já tive pressa e levo esse sorriso, porque ja chorei demais”.
Almir Sater

” Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver
daqui para frente do que já vivi até agora.
Tenho mais passado do que futuro…
Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas…
As primeiras, ele chupou displicente… mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço…
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades…
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram,
cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis…
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas que,
apesar da idade cronológica, são imaturas…
Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral…
As pessoas não debatem conteúdos… apenas os rótulos…
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos…
quero a essência… minha alma tem pressa…
Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços…
não se encanta com triunfos…
não se considera eleita antes da hora…
não foge de sua mortalidade..
Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade…
O essencial faz a vida valer a pena…
e para mim basta o essencial…”
Rubem Alves

“Batidas na porta da frente
É o tempo
Eu bebo um pouquinho
Pra ter argumento
Mas fico sem jeito
Calado, ele ri
Ele zomba
Do quanto eu chorei
Porque sabe passar
E eu não sei
Num dia azul de verão
Sinto o vento
Há folhas no meu coração
É o tempo
Recordo um amor que perdi
Ele ri
Diz que somos iguais
Se eu notei
Pois não sabe ficar
E eu também não sei
E gira em volta de mim
Sussurra que apaga os caminhos
Que amores terminam no escuro
Sozinhos
Respondo que ele aprisiona
Eu liberto
Que ele adormece as paixões
Eu desperto
E o tempo se rói
Com inveja de mim
Me vigia querendo aprender
Como eu morro de amor
Pra tentar reviver
No fundo é uma eterna criança
Que não soube amadurecer
Eu posso, ele não vai poder
Me esquecer”
Nana Caymmi

“Tudo neste mundo tem o seu tempo; cada coisa tem a sua ocasião. Há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar; tempo de matar e tempo de curar; tempo de derrubar e tempo de construir. Há tempo de ficar triste e tempo de se alegrar; tempo de chorar e tempo de dançar; tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las; tempo de abraçar e tempo de afastar. Há tempo de procurar e tempo de perder; tempo de economizar e tempo de desperdiçar; tempo de rasgar e tempo de remendar; tempo de ficar calado e tempo de falar. Há tempo de amar e tempo de odiar; tempo de guerra e tempo de paz.”
Salomão

Publicado em

O PODER DA FEMINILIZAÇÃO

Naturalmente, a alma feminina é espiritual, poética, estética e materna. Mulheres carregam a feminilidade de modo instintivo. Nem todas as mulheres têm feminilidade aguçada na alma. Homens carregam a capacidade de absorver e proteger a feminilidade. Alguns homens desenvolvem a feminilidade em si mesmos para terem o que absorver e proteger, quando experimentam a ausência de feminidade nas mulheres com quem se relacionaram desde a infância. Algumas mulheres anulam em si mesmas a feminilidade, a fim de se tornarem fortes e competitivas, justamente por não se sentirem absorvidas e protegidas pelos homens em sua feminilidade. 

Uma geração é o resultado do equilíbrio das energias feminina e masculina. Gerações mais feminilizadas são poéticas, artísticas, revolucionárias, espiritualizadas. Gerações mais masculinizadas são frias, bélicas, secularizadas, materialistas.

Às vezes, o feminismo como movimento, nada mais é do que a busca do direito da mulher se expressar de modo mais masculinizado. Essa necessidade de masculinização das mulheres é reação à violência sofrida por séculos de um mundo masculinizado.

Hoje, a alma do mundo é como um Ser Masculino, com quase nenhuma aptidão femilinilizada, gemendo por mais beleza, afeto, amor e espiritualidade.

Alexandre Robles

Publicado em

FELICIDADE CÓSMICA

Quando penso que Sou independente do Criador, passo a lutar por conquistar e manter tudo aquilo sobre o que deposito minha felicidade. Quando, porém, entendo que Pertenço a Ele e que dEle, nem a morte ou a vida podem me separar, encontro a paz ansiada, na segurança de que não perco Quem me possui.

Felicidade não é ter o que se pode perder, mas pertencer ao Criador que não nos perde dEle.

Deus é a Estrela de Máxima Grandeza que me mantém atraído a Ele, pela força gravitacional do Amor, por mais que eu tente me separar pelo infinito universo de minhas confusões, temores, desvios e incoerências.

Alexandre Robles

Publicado em

QUEM VAI CUIDAR DE QUEM?

Jesus viu a multidão e se compadeceu dela. Mateus 14.14

Diante de quem necessita de ajuda, seja ela qual for, nós temos algumas alternativas. A primeira delas, a politicamente incorreta e, portanto, não confessada, é a de que cada um deve resolver sozinho seus próprios problemas e que não se vai gastar tempo cuidando dos outros. Essa é a alternativa egoísta.

Há também a pseudopiedosa, de quem diante da dificuldade alheia faz preces aos santos e anjos para que o problema seja resolvido. Pode ser interpretada também como escapismo existencial que denuncia a letargia em tomar atitudes práticas frente ao sofrimento e à dificuldade, relegando ao sobrenatural aquilo que naturalmente pode ser resolvido e desperdiçando energia produtiva em exercício de pagas e promessas religiosas.

Mas o cristianismo propõe uma alternativa, a engajada. Enquanto os egoístas se enclausuram em suas próprias dificuldades e desafios e os pseudopiedosos clamam insistentemente aos deuses a fim de aplacar a culpa de não fazerem nada e darem-se por satisfeitos de suas tarefas e obrigações, os engajados são aqueles que respondem aos apelos de necessidade do próximo.

Quando nossos olhos enxergam a necessidade do próximo, seja ele quem for, podemos fechá-los para não sofrermos. Desejamos ardentemente que os órgãos governamentais e os não-governamentais acabem com as injustiças, todas elas, mais pelo incômodo que eles causam em nossa consciência do que pelo interesse sincero nas pessoas que sofrem.

Ou então oramos a Deus clamando que ele cuide daqueles que estão sofrendo entre nós. Pedimos a Deus que dê carro para os que não têm, que dê alimento para os que não comem, que dê emprego para os que estão desempregados. Fazemos correntes, atravessamos a noite em vigília e despedimos nossos irmãos na mesma dificuldade que tinham antes de nos encontrar e ainda acreditamos fazer a vontade de Deus ao elevar um pouco o moral dos desesperados através de nossos clichês e promessas de prosperidade. Certo é que aqueles que nossos olhos vêem, são nossos.

Deus não espera que ao vermos os necessitados tenhamos boas idéias e as ofereçamos a Ele em oração, como se Ele estivesse esperando que nós o avisássemos de suas obrigações para com os necessitados. Na verdade, a maneira como Deus resolveu atender aos necessitados, todos eles, foi colocando próximos daqueles a quem Ele generosamente permitiu maiores recursos, qualquer recurso.

Quando vir alguém sofrendo e orar pedindo que Deus cuide, que Deus faça alguma coisa, ouça Deus respondendo que já fez: colocou próximo de você, pra você mesmo cuidar.

Alexandre Robles